Número total de visualizações de página

terça-feira, novembro 18, 2008

NECA descobre mais novas espécies cavernícolas


A equipa de investigação do Núcleo de Espeleologia da Costa Azul, contando com a colaboração de investigadores de universidades nacionais e mesmo de Espanha, Dinamarca, França e Estados Unidos da América, continua a olhar para os pequenos seres que se escondem nas grutas do concelho de Sesimbra. Depois de novas aranhas e miriápodes, desta vez foram descobertas novas espécies para Portugal de insectos e pseudoescorpiões.

A primeira novidade trata-se de um insecto Dipluro. Estes insectos primitivos sem asas distinguem-se de todos os outros pelo facto de terem duas caudas, o que lhes confere um ar muito particular. No caso da nova espécie descoberta, da família Japygidae, estas caudas têm a forma de pinça, à semelhança das bichas-cadela (não sendo no entanto aparentados com estas). Alberto Sendra, investigador do Museu de História Natural de Valência (Espanha) encontra-se neste momento a estudar a espécie.

A segunda novidade trata-se na verdade de duas. Duas novas espécies de pseudoescorpiões. “Sorprendente descubrimiento!” foi como Juan Zaragoza, investigador da Universidade de Alicante (Espanha), classificou estas descobertas. Estes aracnídeos, parecidos com escorpiões devido às pinças, não têm cauda ou aguilhão e em geral não ultrapassam os 5 milímetros de comprimento. Uma das espécies poderá mesmo ser nova para a ciência e apenas é conhecida a nível mundial da Gruta do Fumo.

Esta cavidade junta assim a importância a nível arqueológico ao reconhecimento internacional pelas surpreendentes descobertas a nível biológico. As novas espécies descobertas despertaram inclusivamente o interesse muito recente de investigadores da Smithsonian Institution, considerado o maior museu do mundo, sedeado em Washington D.C. Estes investigadores estão neste momento a estudar as estruturas internas da já noticiada Anapistula sp., uma das mais pequenas aranhas a nível mundial, descoberta também na Gruta do Fumo, além das Grutas da Utopia e do Coelho, todas no Sistema do Frade.

Texto: Pedro Cardoso
Fotos: Francisco Rasteiro




quarta-feira, novembro 05, 2008

“Frade” um labirinto de beleza!!!













No decorrer do projecto de investigação do Sistema do Frade em 2008, a equipa do NECA, efectuo oito expedições à Gruta do Frade durante os meses de verão. O objectivo consistiu em continuar a exploração da área labiríntica da cavidade, para uma melhor compreensão do desenvolvimento do sistema.
Cada expedição teve uma duração de três dias, por isso, foi necessário montar um acampamento no interior da gruta, para os 5 elementos que compõem a equipa.
Durante os trabalhos de exploração, foram necessárias efectuar várias desobstruções, que permitiram desvendar pontos de grande interesse, tais como, pequenas salas e galerias, ricamente ornamentadas com novas formações litoquímicas de variadas tonalidades e formas, todas elas pertencentes ao complexo labiríntico que se situa na parte mais profunda da gruta. Foram ainda descobertas, antigas ossadas de morcegos e manchas de guano. Estes novos achados, levaram a equipa do NECA a contactar dois especialistas das áreas de paleontologia (Octávio Mateus) e geologia (Ricardo Araújo), para participarem numa das expedições à gruta do Frade, afim de avaliar e recolher algumas amostras para estudos.
Na última actividade da época, foi efectuada uma minuciosa limpeza do percurso ao longo da cavidade, evitando assim, contaminações de argila nas áreas de calcite.
Pode-se concluir, que o ano 2008 foi muito produtivo, não só, pelos novos espaços descobertos, mas também pelas novas possibilidades de desenvolvimento que foram identificadas. Com estes resultados, é certo que a gruta do Frade ainda tem muito para nos oferecer e nos surpreender.
Estas acções contaram com o apoio da Câmara Municipal de Sesimbra através de um protocolo de cooperação e do Clube Naval de Sesimbra que disponibilizou a barca “Santiago” para o transporte do material e da equipa.

Texto: Carzé
Fotos: Francisco Rasteiro; João Santos.