Número total de visualizações de página

sexta-feira, novembro 27, 2009

Campanhas de Defesa e Sensibilização Ambiental 2009















(Entre 2000 e 2009 foram recolhidos 162,000 litros de lixo)
No presente ano de 2009, o Núcleo de Espeleologia da Costa Azul realizou até ao mês de Novembro 23 actividades de recolha de lixo no litoral Sesimbrense. Estas actividades estão inseridas no protocolo de cooperação que a associação mantém com a Câmara Municipal de Sesimbra já á algum tempo.
As actividades têm como objectivo recolher e transportar os diversos tipos de lixo, que consistem essencialmente em derivados de plástico, latas, restos de aparelhos de pesca, vestuário e calçado, embalagens, esferovite, vidros, etc. , em zonas em que o acesso é difícil. Para alem da recolha, este ano foi possível começar a reciclar o lixo, com sacos de cores diferentes, o que é vantajoso, pois maior parte da poluição que vem dar á costa é reciclável.
Assim, este ano o total de lixo recolhido foi 21200 litros, que comparativamente com anos anteriores, foi inferior. Estes valores não são de estranhar, pois, apesar de a equipa ter efectuado um menor numero de actividades, o lixo nas praias decresceu significativamente, como é exemplo a praia da Baleeira ou da Tranca, talvez devido a um decréscimo da Pesca em Sesimbra. Por outro lado, as pilhas recolhidas também diminuíram, contabilizando 190 pilhas no total.
A nível ambiental, é fundamental que os níveis de poluição do Litoral continuem a baixar, pois os estragos que são feitos na natureza são difíceis de reverter, e num mundo em que cada vez se respeita menos o meio ambiente, estas pequenas acções podem fazer alguma diferença.
Anexo Quadro






terça-feira, novembro 24, 2009

NECA dinamiza actividades ambientais!

No decorrer deste ano, a associação NECA, realizou 2 novas actividades de sensibilização ambiental com os “Pequenos”, crianças dos 4 aos 10 anos de idade, onde aprenderão a plantar bolotas de Sobreiros e Carvalhos na terra. Arvores estas que serão replantadas em zonas desflorestadas As Escolas pré primária das Pedreiras e Tom da Terra foram as participantes destas actividades divertidas e pedagógicas que ensinam os mais pequenos a amar a natureza. Fica aqui o convite do NECA para as escolas e associações que queiram participar em iniciativas semelhantes.





quinta-feira, maio 14, 2009

Novo livro "Flora da Área Cársica do Concelho de Sesimbra"

Disponível!

Contactos:

Tel. 938747398
Mail: necaflr@gmail.com
















No passado dia 23 de Maio, a Câmara Municipal de Sesimbra e Francisco Luís Rasteiro, apresentaram o livro “Flora da Área Cársica do Concelho de Sesimbra”.
A cerimónia decorreu na Capela Espírito Santo em Sesimbra, e contou com a presença do Presidente da Câmara Arq. Augusto Pólvora, da Vice-Presidente da Câmara Dra. Felícia Costa, da Prof. Ana Isabel Correia do Jardim Botânico do Museu Nacional de História Natural e do autor.
O espaço foi pequeno para tantas pessoas que quiseram participar no acontecimento, no final da sessão os presentes foram surpreendidos com a oferta de alguns exemplares do livro e com um momento de prova de xarope e de chás medicinais, elaborados pelo autor com plantas da serra.
O objectivo deste livro é dar a conhecer o vasto património florístico da área cársica do concelho, "pois só é possível preservar, respeitar e valorizar, se conhecermos".
O resultado deste trabalho, traduz-se numa combinação entre a componente científica acessível e as imagens de qualidade, que facilitam na identificação das 308 espécies relatadas neste livro.

segunda-feira, abril 06, 2009

Assembleia Municipal de Sesimbra atribui prémio Espichel 2009 ao Núcleo de Espeleologia da Costa Azul

Em Prole do trabalho realizado no ano de 2008 pelo NECA, a Assembleia Municipal agraciou este com o prémio Espichel 2009. “Para a atribuição deste prémio, procurou-se distinguir instituições ou pessoas que se tenham destacado nas suas actividades e consequentemente tenham levado o nome da vila de Sesimbra “além fronteiras”.
Ao NECA apenas restou um enorme agradecimento, não só á Assembleia Municipal pela deferência, mas também á Câmara Municipal de Sesimbra por todo o apoio que tem dado á associação ao longo dos anos, incentivando e estimulando para a boa continuidade das actividades futuras.

terça-feira, fevereiro 03, 2009

Neca participa no Plano Nacional de Monitorização dos Morcegos























As grutas na serra da Arrábida têm vindo a despertar cada vez mais a atenção de todo nós, não só pela sua beleza mas também pela sua biodiversidade. A Ausência de luz e a as elevadas percentagens de humidade fazem das grutas ambientes inóspitos para a maioria dos seres vivos, no entanto, os morcegos encontram nelas o local ideal para colonizar.
Desta forma, o NECA, em apoio espeleologico á bióloga do ICN, Luísa Rodrigues, tem vindo a realizar várias actividades ao longo dos últimos 13 anos, entre as grutas dos Morcegos (criação), Grande Falha (transição/hibernação) e Zambujal (hibernação), no sentido de fazer um controlo monitorizado da população de morcegos da Arrábida. Esta monitorização consiste em capturar temporariamente uma pequena amostra da população, onde são recolhidos e registados vários dados essenciais para uma melhor percepção do estado de equilíbrio da colónia.
Das 13 espécies de morcegos identificadas na zona da Arrábida, uma é o morcego-de-peluche (miniopterus schreibersii), que se estima ter uma população estável entre os 2 e os 6 mil indivíduos. Ao contrario deste, o morcego-rato-grande (myotis myotis), tem-se verificado com menos frequência nesta região. Infelizmente, as perturbações causadas pelo homem têm provocado consequências que contribuem para uma maior vulnerabilidade ou até mesmo perigo de extinção destes mamíferos.
É preciso que haja uma sensibilização acrescida quando se visita os abrigos destes seres, para não interferir com o seu habitat, ainda mais quando estes desempenham um papel tão essencial para o funcionamento do ecossistema. Sendo um animal que consome metade do seu peso em insectos por dia (o que dá um total de milhares de toneladas anualmente), os morcegos são fundamentais para prevenir um aumento das pragas insectívoras, e consequentemente, as doenças por elas trazidas.

Texto: Rui Carvalho
Fotografia: Francisco Rasteiro


sexta-feira, janeiro 30, 2009

Balanço das Campanhas de Limpeza do Litoral 2008

Encontrar lixo ao longo do litoral é cada vez mais frequente, e apesar das campanhas de limpeza serem realizadas anualmente (desde 2000), a acumulação de lixo é uma constante. Para tentar minimizar este problema, o NECA realizou em 2008, 41 actividades de limpeza, entre a praia da Foz e o Calhau dos alhos. Foram recolhidos 306 sacos de lixo (30.600 litros), numero superior a qualquer um dos anos anteriores. Para se aceder a estas zonas de difícil acesso, foi imprescindível utilizar uma embarcação. O lixo recolhido consistiu, em derivados de plástico, artigos de pesca, garrafas, fracos, pilhas, latas, vestuário, calçado, embalagens de produtos inflamáveis (gás, sprays, etc.), e de muitos mais tipos de poluentes que, infelizmente, se continua a encontrar nestas áreas naturais. Tudo isto, devido á “inconsciência e falta de consideração” que o Homem de hoje tem pela natureza. Para além, dos objectos e das pilhas usadas que são deixados para trás, em algumas situações, também são deixados a apodrecer o “engodo” utilizado na pesca, os restos de comidas e bebidas, que apesar de serem biodegradáveis, emanam um cheiro insuportável. Durante os percursos de barco, foram recolhidos dezenas de sacos de plástico, latas e outros tipos de materiais. Uma parte deste lixo é proveniente do porto de abrigo, a outra advém dos próprios barcos de pesca e de recreio, que não têm qualquer problema em usar o mar como “caixote do lixo”, como já se teve oportunidade de observar diversas vezes.
Estes tipos de atentados que tendem em continuar, para alem do impacto visual também provocam a contaminação das praias e enseadas, consequentemente afectando todos os tipo de flora e fauna existentes.
É incompreensível, que apesar de haver cada vez mais informação acerca da preservação do ambiente, não se tem vindo a reflectir no comportamento das pessoas.
Texto: Rui Carvalho